Esclerose Múltipla

Existe um vírus da Esclerose Múltipla?

Estamos vasculhando o Sistema Nervoso Central de portadores da doença em busca de um agente infeccioso

A Esclerose Múltipla é uma doença caracterizada por lesões na bainha de mielina das células nervosas, o que compromete o Sistema Nervoso Central (SNC) e provoca incapacitações motoras, visuais e outros sintomas.

Por enquanto, ainda não há confirmação da existência de um vírus específico da Esclerose Múltipla, no entanto, a principal teoria é de que os vírus são determinantes para desenvolver a doença. Provavelmente a partir de infecções na infância e adolescência.

Existe um vírus da Esclerose Múltipla?

Existe um vírus da Esclerose Múltipla?

Os principais argumentos a favor da “teoria viral” da esclerose múltipla são:

•    Vírus causam doenças semelhantes à esclerose múltipla como ADEM, LEMP, etc;
•    Lesões aos neurônios semelhantes às causadas por vírus precedem as lesões de Esclerose Múltipla no Sistema Nervoso Central;
•    O caminho das células do sistema imune são semelhantes em doenças virais e na Esclerose Múltipla;
•    Vírus apresentam períodos de latência (dormência) e reativação que se assemelham à forma remitente-recorrente da Esclerose Múltipla, com surtos e remissão da doença

Os principais vírus envolvidos são:

•    Epstein-Barr (EBV): A presença desse vírus é quase obrigatória para o desenvolvimento da Esclerose Múltipla. Altas taxas de cicatriz sorológica do EBV estão presentes desde pacientes crianças até adultos. Além disso, estudos demonstram que o momento de desenvolvimento da esclerose múltipla e da viragem sorológica para o EBV também coincidem. Giovanonni em 2011 demonstrou que maiores taxas de anticorpos contra o EBV esta relacionado com maior atividade da Esclerose Múltipla medida por Ressonância Nuclear Magnética.
•    Citomegalovírus (CMV): O CMV também está intimamente relacionado com o desenvolvimento da esclerose múltipla. Enquanto 98% dos pacientes com esclerose múltipla possuem anticorpos contra CMV, apenas 52% da população geral possui.
•    Herpesvirus humano 6 (HHV6): encontrou-se alta expressão de RNA do HHV6 em lesões desmielinizantes de pacientes com esclerose múltipla.
•    Retrovírus endógeno da família W (HERV-W): Retrovírus endógenos são vírus que infectaram óvulos há milhões de anos atrás e entraram no meio do nosso código genético. Eles representam 8% do nosso DNA. Entretanto essa parte do nosso DNA fica dormente, a não ser em situações específicas como no caso da Esclerose Múltipla, quando o corpo começa a produzir a partir do seu próprio DNA partículas virais do HERV-W. O HERV-W quando injetados em ratos, causa um modelo animal da esclerose múltipla (que é a encefalomielite autoimune experimental). Hoje em dia, existe um tratamento em desenvolvimento com um anticorpo contra o HERV-W, os resultados ainda são preliminares mas animadores. Recentemente o nosso grupo de pesquisa desenvolveu a tecnologia para detectar o HERV-W, e é o primeiro grupo da América Latina a desenvolver essa técnica (leia pesquisas do nosso grupo sobre HERV-W).

Pesquisas citadas em Tilbery4 demonstram que o HHV, o adenovírus tipo 12 e o influenza tipo A podem ter relação com a Esclerose Múltipla. A mesma fonte cita uma dúzia de agentes infeciosos em estudo, entre os quais o coronavírus e o papovavírus, entre outros candidatos à causador da doença.

As pesquisas na área são constantes e aumentam cada vez mais a compreensão acerca da Esclerose Múltipla.

Aguardemos, portanto, mais boas notícias.

Até breve!
Dr Guilherme Sciascia do Olival – CRM 135992

Bibliografia
1.    I SAÚDE. Vírus semelhante ao da herpes pode ser fator de risco para Esclerose Múltipla. I saúde, 2011. Acesso em 26 de março de 2014.
2.    KNAPP, Alex. Multiple Sclerosis may be caused by a virus. Forbes, 2012. Acesso em 26 de março de 2014.
3.    MENTE E CÉREBRO. Antivirais para Esclerose Múltipla: descoberta de vírus que atua sobre a doença leva ao desenvolvimento de medicamentos. Scientific American, 2012. Acesso em 26 de março de 2014.
4.    TILBERY, Charles Peter. Esclerose Múltipla no Brasil: aspectos clínicos e terapêuticos. São Paulo: Editora Atheneu, 2005.
5.    VEJA com REUTERS. Estudo liga “cobreiro” à ocorrência de Esclerose Múltipla: doença herpes-zóster é provocada pelo mesmo vírus que a catapora. Veja, 2011. Acesso em 26 de março de 2014.

'Existe um vírus da Esclerose Múltipla?' há 2 comentários

  1. 14 de fevereiro de 2015 @ 19:24

    o q pode fazer p ajudar quem tem este problema

    • 8 de junho de 2015 @ 21:08

      Olá Julia, a melhor forma de ajudar é ter um acompanhamento médico frequente. Consultas regulares ao neurologista são essenciais para a boa conduta do tratamento. Cada caso tem que ser individualizado e visto com calma. Mas devo adiantar que existem muitas opções de tratamento, apenas tome cuidado com os tratamentos “milagrosos” que em sua maioria são falsos.
      Um abraço.

Envie seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Fale com o Dr. Guilherme

+55 11 3052.1895
drguilhermesolival@gmail.com

HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN

Av. Albert Einstein, 627 – bloco A1 220
Morumbi, São Paulo, SP – 05651-901
+55 11 2151.3220

Centro de Esclerose Múltipla São Paulo

Rua Santa Cruz, 722 Conjunto 610
Vila Mariana  CEP 04122-000, São Paulo, SP
+55 11 3052.1895

© Copyright 2015 - Todos os direitos reservados